O rastreador veicular é um ótimo acessório quando se pensa em proteção e segurança. O trânsito nos dias de hoje não é muito seguro, e precisamos adquirir dispositivos extras para manter a tranquilidade ao dirigir. Infelizmente, os rastreadores também são alvos de clonagem. Aqui, você saberá como identificar esta situação.

A tecnologia aprimora muitos aspectos de nossas vidas, inclusive no trânsito. Neste sentido, os rastreadores vieram para disponibilizar maior segurança para o motorista, veículo e sua carga. Logo, muitas empresas de transporte utilizam este serviço para melhorar as suas atividades e proteger as encomendas.

Como funcionam os rastreadores veiculares?

Os rastreadores são equipamentos que possuem a tecnologia GPS (Global Position System). Este sistema utiliza-se de satélites para transmitir com precisão a localização do rastreador, o qual está instalado em um veículo. Deste modo, o automóvel é monitorado em tempo real, 24 horas por dia, o que então proporciona alta segurança e praticidade em casos que necessitem de assistência.

Logo, os rastreadores são comumente utilizados para a recuperação de veículos que foram alvos de furtos e roubos. Através da localização do GPS, as autoridades competentes podem chegar ao local com rapidez e exatidão. Caso queira saber tudo sobre as vantagens de um rastreador veicular, confira nosso post.

Outro grande benefício dos rastreadores é na logística de empresas de transporte. Uma vez que a frota de veículos está equipada com equipamentos que monitoram todo o trajeto, é possível utilizar estes dados para aprimorar os serviços de uma empresa. Desta forma, as entregas serão mais ágeis e o cliente ficará mais satisfeito com a melhora na qualidade do serviço.

A numeração IMEI identifica cada rastreador existente

Os rastreadores podem ser clonados. Isto acaba por dificultar o rastreamento, o que põe em risco todo o sistema de segurança para o qual ele foi destinado. A configuração do aparelho torna-se muito prejudicada, além do monitoramento e a transmissão de dados apresentarem falhas e inconsistência no sistema.

Assim como nós temos um RG para a identificação pessoal, os rastreadores possuem um código IMEI (International Mobile Equipment Identity). Esta numeração é única, sendo composta por 15 dígitos.

Os 6 primeiros dígitos, conhecido como TAC (Type Allocation Code), são relacionados ao local de produção do rastreador. Os dígitos 7 e 8 permitem identificar o fabricante do equipamento, sendo denominado FAC (Final Assembly Code). Os outros dígitos são referentes ao número de série e a um código verificador, respectivamente.

Logo, é possível consultar a identidade de todos os rastreadores a partir da numeração IMEI, verificando se ele é clonado ou não. Para isso, siga os passos abaixo.

Como verificar se o rastreador foi clonado?

Primeiramente, você precisa descobrir o número IMEI do seu rastreador. Para isso, existem 3 modos. A forma mais prática é verificar a etiqueta adesiva que encontra-se impressa na parte interna do compartimento da bateria ou na caixa que o rastreador foi embalado.

Caso não encontre nestes locais, você pode abrir o manual de instruções do seu rastreador que provavelmente haverá uma etiqueta constando o número IMEI. Se mesmo assim não encontrar a numeração, entre em contato com o fabricante do seu rastreador para descobrir o código.

Para consultar a numeração IMEI e verificar se o rastreador é clonado, acesse o site da Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL). Esta agência registra e regulamenta os rastreadores veiculares no Brasil, assim como os aparelhos de telefonia móvel. Para facilitar a sua vida, acesse o site da ANATEL.

Em seguida, clique no menu Consulte sua situação. Você será direcionado para um página onde deverá inserir algumas informações. Primeiramente, digite o número IMEI a ser pesquisado no campo correspondente. Então, insira os caracteres de segurança contidos na imagem que irá aparecer ao lado. Agora, clique no botão Consultar para proceder à pesquisa.

A tela que se abrirá irá mostrar uma lista contendo o registro do veículo pertencente ao número IMEI digitado. Logo, se verificar que já existe outro automóvel com a mesma numeração, é bem provável que o rastreador esteja clonado. Ainda, nesta mesma página da ANATEL, você pode verificar se existe alguma restrição sobre o rastreador pesquisado.

Portanto, verifique o IMEI do rastreador e compre produtos apenas de fornecedores confiáveis. Aproveite estas dicas e tome as precauções para não adquirir um rastreador clonado. Mantenha sua segurança apropriada e desfrute dos benefícios que este equipamento pode trazer ao seu veículo ou empresa.